Tribo Parkatejê edita livro para preservar seu idioma

postado por Andreia Santana @ 7:36 PM
10 de dezembro de 2011

Li a notícia na EFE (agência de notícias espanhola).  A comunidade indígena Parkatejê, do Pará, lançou um livro e um vídeo na última sexta-feira, 09, que imortalizam seus hábitos, costumes e cultura de seu povo. A publicação também cria uma gramática de sua língua nativa, o Jê Timbira, para salvá-la da extinção.

O projeto foi idealizado pelo cacique Krohokrenhum, 80 anos, líder da comunidade formada por cerca de 400 pessoas, que vive em uma reserva de 62 hectares no território paraense.

O livro de 196 páginas tem capítulos dedicados aos sábios conselhos de Krohokrenhum – que apesar da idade é ainda quem lídera as caçadas de seu povo – e às histórias de luta, adversidades e conquistas dos Parkatejê. A coordenação do trabalho de mapeamento linguístico do Jê Timbira foi responsabilidade da pesquisadora Leopoldina Araújo, que chegou pela primeira vez à aldeia há 37 anos com o desejo de estudar a língua indígena para um trabalho de pós-graduação.

A iniciativa devia se estender a outras comunidades remanescentes no país.

Tags: , , , , ,

6 Respostas to “Tribo Parkatejê edita livro para preservar seu idioma”

  1. dilermando castro lemos costa 76 anos  Says:

    A linguagem indídena também é cultura nossa.Ótimo seria se pudessemos deixar outros livros com a linguagem dos demais, em vez de só os Parkatejê.

  2. Ademario Ribeiro  Says:

    Parabéns à Profª Leopoldina Aarújo e ao Cacique Krohokrenhum por essa proeza em prol da cultura e da memória da tribo, do Brasil e do mundo. O Brasil precisa ser passado à limpo como aconselhava o brilhante antropólogo Darcy Ribeiro!

    Viva a Cultura e História dos Povos Indígenas que a despeito de tantos massacres – nos compartilharam o paraíso Pindoretama!

    Que venham mais exemplos como este!

  3. Márcia  Says:

    Além da oportuna iniciativa, importante para construção da nossa identidade, estou “bege” com a exuberância dessa representante da tribo Parkatejê. Que beleza impressionante…

  4. Cláudia  Says:

    Fiquei interessada no assunto. É possível comprar este livro?

  5. Andreia Santana  Says:

    Oi Cláudia, o projeto é do Pará e ainda não tem notícias se será vendido nas livrarias do país, por enquanto, é algo local de lá. Abs!

  6. Marcos Santos  Says:

    Boa tarde Profa. Leopoldina! Gostaria de saber se existe alguma forma para acessar essas informações. Estou me mudando para um lugar chamado Sítio Novo/MA, e entre outras coisas que estarei fazendo lá, incluo o aprendizado do idioma indigena dos Karikatis, o Jê ou Parkatejê em função de um trabalho voluntário que eu e minha esposa realizaremos na regíão. Poderia ser uma ferramenta habil que nos auxiliaria no contato com estas pessoas.
    Atenciosamente;
    Marcos Santos

Deixe seu comentário